segunda-feira, 15 de março de 2010

Dieta de catso de barata marinha

Mais uma dos "cientistas": a dieta Eco-Atkins.

É inacreditável a ignorância das pessoas e essa pseudo-ciência dos nutricionistas e pesquisadores da área.

Soma-se a isso a busca por milagres, o culto ao corpo e uma indústria ávida por lucros fáceis e pronto; está instalado o show de banalidades.

Inicialmente vou dar uma breve explicação sobre essa dieta.

A dieta do Dr. Atkins é uma dieta baseada em mudança de metabolismo do corpo e não de quantidade calórica. Basicamente ela é baseada em gorduras e proteínas.
A dieta Eco-Atkins utiliza gorduras e proteínas vegetais para atingir o mesmo objetivo, mas com a chatice de supostamente ser ecológica e reduzir os níveis de colesterol.

Antes de mais nada, deixo claro que adoro carne, mas sou absolutamente contra a crueldade desnecessária com animais, bem como exageros (se bem que um rodiziozinho de vez em quando até que é divertido!).


Mas é babaquice (além de burrice mesmo) achar que ser ecologicamente correto é comer apenas "alface". Primeiro, pois nosso corpo possui um aparelho digestivo totalmente desenvolvido para o consumo de todos os tipos de alimentos, e depois, que somente um idiota completo acharia que a redução de pastos pelo consumo de "alface" iria preservar alguma mata nativa, afinal, onde eu planto as "alfaces"?

E o pior, quanto de "alface" é necessária para suprir a demanda energética de um adulto?
Não tenho dados disponíveis, mas me parece lógico que se 7 bilhões de pessoas no mundo resolvessem comer só "alface" teríamos um desastre ecológico sem precedentes.

Observações feitas, volto às dietas.


Desde o início do século passado os fisiculturistas já faziam essas dietas e conseguiam reduzir sua gordura corporal subcutânea a quase zero (zero é impossível, exceto em cadáveres). Esse conhecimento não somente foi adquirido de maneira empírica mas também com profissionais da área que desenvolviam suas próprias pesquisas.


A maioria dos pesquisadores é financiada por indústrias que não tem muito interesse em que se compre um mero pedaço de carne no açougue (o que se pode agregar numa bandeja de carne? que apelo de marketing seria possível?), e principalmente, que as pessoas não desejem seus "miraculosos" suplementos e pílulas. Outros cientistas, formados por essa educação tecnicista, se baseiam em pesquisas deficientes ou de origem suspeita que, pra eles, são inquestionáveis.


Minha avó sempre dizia que comida boa não faz mal.

De fato, comida não faz mal. Vida ruim faz mal; comida não. 
Você já ouviu falar em esquimó com pressão alta ou enfarte? Eles só (ou quase) comem gordura de foca e, sinceramente, acho pouco viável plantar alface no Alaska.

Os grandes vilões da nossa sociedade moderna são o colesterol, o tríglicérides e a glicose (vide o diabetes).

É cômico (se não fosse trágico) quando vejo aquele sujeito infeliz, mal casado, que trabalha como um escravo e que vive num amontoado de gente que mal se olha na cara falando que não come gema de ovo e nem carne vermelha porque faz mal.

O combustível primordial do corpo é o glicogênio, e tudo o que se come, de um jeito ou de outro, vira glicogênio. O colesterol, os triglicerídeos e a glicose são combustíveis de alta qualidade armazenados sob formas específicas, que num corpo sedentário e numa mente mal tratada, estressada e infeliz vira veneno.


Tirando os produtos refinados (e tudo o que se deriva deles) e as gorduras industrializadas, nada faz mal.

Os casos em que há algum problema de processamento de gorduras ou desequlíbrios hormonais talvez requeiram uma abordagem mais ortodoxa, mas eu teria ressalvas em aceitar totalmente isso.

Um fisiculturista profissional que também é PhD em medicina desportiva (sim, é possível ser um brutamontes que pensa!) escreveu um livro chamado "Solução Anabólica Para Fisiculturistas". Com os devidos ajustes, não é apenas para os profissionais.



Sim, eu fiz a dieta metabólica. E fui testemunha de um amigo portador da famigerada Síndrome Metabólica, que também a fez.

Cheguei a comer, POR DIA, 14 ovos inteiros, 1 Kg de carne, 250 gramas de queijo, 250 gramas de presunto, +/- 50 ml de azeite extra virgem, 5 gramas de óleo de peixe, 3 gramas de óleo de linhaça e, eventualmente, uns bacons com maionese pra "dar uma quebrada".

Resultado em laboratório: colesterol LDL rídículo, colesterol HDL alto, triglicérides ridículo e glicose patética.

Resultado em físico: como dizem os bodybuilders, "rasgado"! E com um ganho em ânimo incrível (o carboidrato libera muita serotonina e vicia —sim, vicia!).

Com certeza você já ouviu falar em aminoácidos essenciais (proteínas) e gorduras essenciais (os famosos Ômega 3 e 6 por exemplo). Mas já ouviu falar em carboidratos essenciais? Não?!

Não mesmo, eles não existem! 

Observação: essenciais são elementos que o corpo não "fabrica" e tem que ser consumidos.

Para a indústria moderna é importante que você acredite nessas dietas mirabolantes de baixo índice calórico e, principalmente, continue a viver mal, pois quem vive mal, além de sedentário, estressado e infeliz (mesmo com suas megaviagens e todas as suas posses), não tem tempo pra cozinhar e nem pra comer decentemente.


Então, deliciem-se com seus produtos diet e light naquelas embalagens coloridas e com outras guloseimas prontas fáceis de fazer.

De quebra, se você adoecer, eles te vendem meia dúzia de pílulas pra controlar a merda em que você se enfiou. Pode dar um cancerzinho aqui ou acolá, mas quem se importa? Isso vale o Mercedes na garagem.




"O homem global é formado por corpo, mente, espírito e emoção. Parece até coisa sabida, praticada, mas não é!
Vive-se parcialmente. Alguns esquecem do corpo e vivem no templo da mente e por ela buscam aproximar-se do espírito.
Mas o corpo esquecido cobra-lhes sustentação, o bem-estar, a disposição, o ar fresco pleno nos pulmões. Falta-lhes o sangue forte e vivo correndo nas veias. Então suas mentes agonizam e seus espíritos se apagam." - Nuno Cobra



 Katsumi Ishimura, nessa foto com 62 anos, planeja competir até os 80