terça-feira, 23 de agosto de 2011

Capte, antena digital. Agora conta outra.

Mais uma pérola encontrada na TV aberta: a antena digital.

O CONAR perde seu tempo entrando com uma representação contra aquela propaganda do "Ponei Maldito", que apesar de ridícula, só tem o tradicional pouco caso à limitada intelectualidade dos consumidores fiéis de automóveis, mas deixa passar bateladas de outras mentiras.

A alegação deles foi ainda mais ridícula: a de que o comercial afrontava contra ícones infantis. Como diria Jack Palance: "acredite se quiser".

Mas volto a pérola da antena digital.



Primeiro NÃO EXISTE ANTENA DIGITAL.

Desde Heinrich Hertz as antenas praticamente não mudaram muito.
Sua função continua a mesma: fazer com que ondas eletromagnéticas se "transformem" em energia elétrica.

Existem vários modelos cujas funções, fundamentalmente, são melhorar seu alcance e/ou direcionamento e seu tamanho é determinado pelo ganho e pela frequência que se deseja captar.

As antenas VHF (do inglês Very High Frequency) comuns (as "espinhas de peixe" tecnicamente chamadas de log-periódicas) são feitas para captar um comprimento de onda médio dos nossos canais abertos e com um lóbulo principal (o "oval" ou "campo" onde elas são efetivas em relação ao emissor de sinal) médio de até 30Km.

Como as antenas são equipamentos passivos, isto é, sem circuitos ativos (dotados de alimentação, transistores, etc),  o ganho é relativo a uma antena padrão não direcional (onde seu lóbulo é um círculo) e quanto maior o seu alcance mais estreito é seu lóbulo.

As antenas de UHF (do inglês Ultra High Frequency) são fundamentalmente a mesma coisa, apenas a faixa de frequência é diferente (daí o tamanho reduzido destas) e existem diferenças de propagação que não entrarei em detalhes.

O fato de uma antena ser conectada a um amplificador não a torna necessariamente melhor se o básico (a captação do sinal) não for adequada, isso porque se os ruídos forem muito fortes eles serão amplificados pelo amplificador, que mesmo dotado de filtros, não barrará ruídos dentro de sua banda de operação.

A TV digital usa o UHF da mesma maneira que a TV convencional, e portanto, segue o mesmo princípio do eletromagnetismo elementar de séculos, o que muda é a codificação do sinal antes de sua modulação.

Resumindo, uma boa antena UHF para TV convencional (operando em UHF logicamente) serve (provavelmente de maneira até mais eficiente) para a TV digital, e com certeza, o desempenho dessa "antena digital" em VHF é bem inferior que as antenas "convencionais".

O CONAR não se manifesta sobre essa enganação.
Mas de fato, criar necessidades que você não tem é o paradigma da publicidade e do nosso sistema monetário mercantil.