quinta-feira, 18 de agosto de 2011

3D?! Aonde?

Assisti um programa que discutia a tecnologia 3D.
Comentavam animados sobre o "3D falso" com aqueles óculos com lentes coloridas e o "verdadeiro" com as TV's 3D e os óculos sincronizados.

Além das apresentadoras participavam um desenvolvedor de software (um companheiro de profissão) e um especialista em TI.

Não sei até que ponto essa apologia ao 3D é uma empolgação infantil (o programador parecia bem novo) ou uma balela de marketing (o cara de TI tinha aquela cara de executivo que adora 'aplicar').

A "verdadeira" tecnologia em 3D não é verdadeira nem de longe.
Alternando os quadros em exibição (tanto na TV quanto no cinema) e sincronizando-os com os óculos que os fazem chegar alternadamente ao olho esquerdo e direito, tem-se uma pífia sensação de dimensão.

O "verdadeiro" 3D, de fato, possibilitaria que o espectador, ao se deslocar mínimos centímetros para à direita por exemplo, visualiza-se o objeto sob novo ângulo/perspectiva.

Mesmo o "verdadeiro" 3D do mundo real é uma interpretação do cérebro aos estímulos luminosos recebidos e portanto, sendo uma criação, já não podemos chamá-lo de "verdadeiro". Ok, isso é filosofia, deixamos pra lá.

Aliás, antes assistir a "Freud além da alma" em P&B do que o patético "Avatar" que com todas os seus mirabolantes efeitos é um lixo de filme. Previsível, piegas, repleto de chavões de quinta e canastrões.

Tecnologia 2,1D seria bem mais adequado.

Está pronto para comprar mais bujigangas pra sustentar esses criadores de necessidades "verdadeiras"?