quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

O verão dos emergentes

Que a ascensão social foi uma conquista todo mundo sabe.
Mas a cara desse verão realmente é dos Neymares (sem nenhum talento) da vida.

Não me achincalhem como preconceituoso, porque minha avaliação (profunda como um pires) é mais um pós-conceito, e afinal, neste blog não cabe nada 'fofinho' e politicamente correto.

Apesar de ter participado já na adolescência da legalização do PT e ter verificado na década de 90 que a ideologia socialista pluralista estava longe do partido, acho que vou deixar na gaveta  meu parco lado "68".

A distribuição de renda sem educação é como crescimento das cidades sem planejamento.
Dispenso discursos sociológicos.

A prepotência desses ascendentes que sucedeu a falta de educação são grande efeito colateral.
Mais lixo nas ruas, mais desrespeito aos pedestres, mais cachorros nas praias, maior consumo de água oxigenada e alisantes, e uma imensidão de novos proprietários de automóveis achando que todos tem que ouvir axé, pagode e música sertaneja.

Ok, isso passa com o tempo. Nada que um ou dois séculos não ajudem.
O ex-presidente foi uma espécie de herói na minha adolescência, hoje quase estou concordando com o Justo Veríssimo...


A propósito, dadas as circunstâncias, a Regina Casé acertou a mão com o seu programa novo (Esquenta!).

Sobreviverei... eu espero... porque afinal, eles "tão pagaNo"!



"Quero crer que certas épocas são doentes mentais. Por exemplo: a nossa." - Nelson Rodrigues